©2018 Учебные документы
Рады что Вы стали частью нашего образовательного сообщества.

Iii atividades preliminares 1 uso do solo e cobertura vegetal 1 Justificativa e objetivos - səhifə 2


Os dados apresentados referenciam que: (i) ainda existe na bacia uma considerável área coberta por mata nativa (ainda que secundária). Neste caso, a presença do Parque da Serra do Tabuleiro e o Parque na Serra Geral contribuem para este percentual elevado; (ii) a zona urbana, representa efetivamente uma porção muito pequena da bacia; (iii) áreas cultivadas com rizicultura também tem uma parcela proporcionalmente representativa da área total.

Vale ressaltar que, além da separação dos usos do solo, com base na classificação digital da imagem de satélite atualizada, o mapa mostrado na prancha 3.1.1 em anexo apresenta: (i) o sistema viário atualizado; (ii) recurso hídrico com extensão maior que 5 km; (iii) áreas de preservação permanente segundo o Cód. Florestal Federal (no caso das faixas de preservação permanente ao longo dos recursos hídricos, a escala de plotagem não permite a visualização, tendo-se que recorrer ao mapa em meio digital); (iv) áreas degradadas e áreas de lavras em geral, obtidas de levantamentos de campo e do cadastro do DNPM; (v) pontos de lançamento de esgoto e lixões municipais (SDM, 1998).




  1. Mata nativa (em seus diferentes estágios sucessionais)

  2. Campos/Pastagens Implantadas

  3. Formação predom. arbóreas/arbustiva nativa inicial, com inclusão de peq. povoamentos implantados

  4. Áreas preferencialmente ocupadas por rizicultura

  5. Lâmina d'água

  6. Solo exposto

  7. Zona urbana

  8. Dunas

  9. Formação predom. campestre natural/arbustiva, com peq. manchas de vegetação arbórea nativa, residual e de reflorestamento

  10. Áreas degradadas (carvão, pedreiras, saibreiras)

  11. Reflorestamento


Gráfico 3.1.1 –

Distribuição usos atuais do solo e

cobertura vegetal identificados na bacia.


3.1.4 Uso e ocupação do solo

Os dados secundários utilizados na descrição do uso e ocupação do solo são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi utilizado o Censo Agropecuário 1995-1996, Produção Agrícola Municipal 1999, Produção Pecuária Municipal 1999 e Sinopse Preliminar do Censo Demográfico 2000.

A apresentação do uso e ocupação do solo foi feita conforme o resultado do mapeamento, ou seja, a partir de breve evolução histórica da região foram identificados os centros urbanos com indicação da população urbana e rural, utilização das terras e estrutura fundiária e atividades econômicas desenvolvidas na bacia Hidrográfica do rio Tubarão e Complexo Lagunar.

Cabe ressaltar que a apresentação dos dados é feita a partir do agrupamento em sub-bacias hidrográficas (SB), procurando, desta forma, destacar os principais usos de cada sub-bacia. As SB podem ser vistas na figura 2.2.1 e estão assim divididas:



  • Sub-bacia do rio D’Una + Complexo Lagunar

    : formada pela sub-bacia I e sub-bacia VI, as quais pertencem os municípios de Imaruí, Imbituba e Laguna;

  • Sub-bacia do rio Capivari

    : formada pela sub-bacia II, a qual pertence os municípios de Armazém, Gravatal, São Bonifácio e São Martinho,

  • Sub-bacia do rio Braço do Norte

    : formada pela sub-bacia III, a qual pertence os municípios de Anitápolis, Braço do Norte, Grão Pará, Santa Rosa de Lima, São Ludgero e Rio Fortuna;

  • Sub-bacia do rio Tubarão

    : formada pela sub-bacia IV (formadores do rio Tubarão)e sub-bacia V (baixo rio Tubarão), as quais pertencem os municípios de Lauro Muller, Orleans, Pedras Grandes, Capivari de Baixo, Jaguaruna, Sangão, Treze de Maio, e Tubarão.

Os dados referentes à SB do rio Tubarão (quadros e gráficos) foram divididos e apresentados de forma separada para a SB, ou seja, são apresentados individualmente para aqueles relacionados aos formadores do rio Tubarão (SB IV) e para os do baixo rio Tubarão (SB V), devido à diferença existente entre essas duas SB quanto ao uso e ocupação do solo.

3.1.4.1 Evolução histórica do uso e ocupação do solo na bacia Hidrográfica do rio Tubarão e Complexo Lagunar

Quando da descoberta do Brasil pelos portugueses, ou seja, por volta do ano de 1500, 81,50% da área total do estado de Santa Catarina era coberta por florestas nativas (Fundação SOS Mata Atlântica, 1998), sendo a área da bacia Hidrográfica do rio Tubarão e Complexo Lagunar ocupada, em sua quase totalidade, pelos diversos agrupamentos que compõem a Mata Atlântica.

As primeiras atividades que se seguiram ao início da ocupação da bacia pelos portugueses, em 1714, estavam direcionadas à subsistência, tais como a pesca artesanal, extração de produtos florestais e agropecuária extensiva. (SDM, 1998).

A partir da chegada dos imigrantes alemães, italianos e poloneses (séc. XIX), ocorrem modificações nas relações sócio-econômicas. Alicerçada na mão-de-obra familiar, verifica-se a intensificação dos usos da terra (policultura e criação semi-intensiva de bovinos) e a conseqüente substituição das extensas áreas florestais pela paisagem agropecuária. Posteriormente, com a implantação da atividade extrativista de carvão, imprimiu-se uma nova feição ao processo de desenvolvimento regional, que abrange o período de 1900 a 1940.

Entre 1940 e 1960 a bacia do rio Tubarão integra-se ao processo de desenvolvimento nacional através da Companhia Siderúrgica Nacional. Surgem novas formas de organização espacial com a criação de novos municípios localizados na região carbonífera.

No período após 1960 a região vivencia a crise na economia carbonífera, revitalizada depois de 1975 com a criação de sistema portuário e ferroviário subsidiado, com a usina termelétrica Jorge Lacerda e o Complexo Carboquímico de Reaproveitamento e Beneficiamento dos rejeitos do carvão.

Nesse mesmo período aumenta o processo de urbanização, decorrente do êxodo rural, (a taxa de urbanização passa de 41,17% em 1970 para 70,07% em 1996), e de concentração fundiária, com o surgimento de novas áreas agrícolas voltadas para a rizicultura e a cultura fumageira. É esse processo de urbanização, decorrente de vários fatores, responsável pelo aumento nos níveis de degradação ambiental.

3.1.4.2 Aspectos demográficos

A bacia Hidrográfica do rio Tubarão e Complexo Lagunar é formada por 21 municípios. A população total, conforme sinopse preliminar do Censo Demográfico (IBGE, 2000), é de 344.523 habitantes, estando 69,5% em domicílio urbano e 30,5% em domicílio rural. Os municípios que apresentam maior população são Tubarão (89.338 habitantes) e Laguna (47.543 habitantes), sendo os principais centros urbanos.

No quadro 3.1.3 é apresentada a população urbana e rural dos municípios pertencentes às sub-bacias hidrográficas do rio Tubarão e Complexo Lagunar.

Observando-se a distribuição da população, por situação de domicílio (quadro 3.1.3), percebe-se que nos municípios que compõem a SB do rio Capivari há predomínio da população rural, o mesmo ocorrendo nos municípios pertencentes à SB do rio Braço do Norte, exceto nos municípios de Braço do Norte e São Ludgero cuja população urbana é superior. Nas demais sub-bacias a população urbana é superior àquela rural, porém existe expressivo número de municípios com população rural maior que a urbana. Esses dados sobre a distribuição da população se refletem no tipo de atividade econômica desenvolvida nos municípios analisados.



Quadro 3.1.3 –

População urbana e rural dos municípios pertencentes à bacia Hidrográfica do rio Tubarão e Complexo Lagunar

Municípios


População (2000)

Área Municipal (Km2)


Urbana



Rural



Total



SB do rio D’Una + Complexo Lagunar















Imaruí

3.899

9.498

13.397

540,8

Imbituba

34.527

1.173

35.700

185,4

Laguna

37.255

10.288

47.543

444,5

Sub-total



75.681



20.959



96.640



1.171


SB do rio Capivari














Armazém

2.624

4.246

6.870

138,4

Gravatal

3.865

6.046

9.911

194

São Bonifácio

682

2.536

3.218

451,8

São Martinho

888

2.386

3.274

235,7

Sub-total



8.059



15.214



23.273



1.020


SB do rio Braço do Norte














Anitápolis

1.116

2.114

3.230

575,5

Braço do Norte

17.857

6.914

24.771

193,9

Grão Pará

2.674

3.140

5.814

328,6

Rio Fortuna

1.213

3.103

4.316

285,8

Santa Rosa de Lima

423

1.584

2.007

184,3

Sub-total



23.283



16.855



40.138



1.568


SB do rio Tubarão













Formadores Tubarão














Lauro Muller

9.921

3.681

13.602

266,7

Orleans

12.802

7.219

20.021

599,8

São Ludgero

5.993

2.593

8.586

152,8

Pedras Grandes

865

4.056

4.921

120

Baixo Tubarão














Capivari de Baixo

17.434

1.125

18.559

46,9

Jaguaruna

10.236

4.367

14.603

327,6

Sangão

3.622

4.504

8.126

83,1

Treze de Maio

1.764

4.952

6.716

179,7

Tubarão

69.907

19.431

89.338

283,6

Sub-total



132.544



51.928



184.472



2.060



Total



239.567



104.956



344.523



5.819


?


iii-international-39.html

iii-international-43.html

iii-international-48.html

iii-international-52.html

iii-international-57.html